Crônicas do Mundo Emerso Vol. 3: O Talismã do Poder

Título: Crônicas do Mundo Emerso Vol. 3: O Talismã do Poder
Título original: Cronache Del Mondo Emerso – Il Talismano del Potere
Autor: Licia Troisi
Ano de publicação: 2005
País de origem: Itália
Tradução: Mario Fondelli
Editora: Rocco – 421 páginas

 

O Talismã do Poder é o último livro da trilogia Crônicas do Mundo Emerso. Para saber mais sobre os dois primeirso volumes, clique aqui e aqui.

Nihal e Senar agora estão a caminho da missão dada por Reis: encontrar as oito pedras do talismã do poder. Encontrar talismãs/pedras/anéis/camafeus/colares/bugigangas em geral que podem liquidar as forças das trevas é um grande cliché das tramas de fantasia e como eu disse no post sobre o livro A Missão de Senar, fiquei com medo de essa questão não ser bem desenvolvida e a história acabar indo por água abaixo.

É importante deixar claro que eu não tenho nada, absolutamente nada contra clichés, aliás, adoro clichés. No entanto, o grande lance do cliché não é o quê, mas sim o como. Ou seja, o fato de se ter um talismã que vai destruir as forças do mal não é um problema em si, o problema é: como vamos encontrar esse talismã? Como vamos utilizá-lo? Como vamos lidar com ele? Então vou assumir que fiquei apreensiva quando comecei a ler O Talismã do Poder por estar ansiosa com os possíveis caminhos escolhidos. Posso dizer que as primeiras 100 páginas foram absolutamente sofríveis. Não só porque achei as situações absolutamente ridículas e bobas (não senti em nenhum momento aquele friozinho de ameça ou aquela dúvida de “será que eles vão consiguir?”) mas também porque a interação de Ninhal e Senar com Laio (amigo e escudeiro de Nihal) foi medíocre. O nível de falta de interação/conexão entre os personagens chegou ao ponto do melodrama de novela e eu ficava pensando “pelo amor de Deus, alguém acaba com esses três”. Sem conta que os “esforços” durante a busca foram tão pseudo, mas tão pseudo que eu fiquei absolutamente incrédula e custei a acreditar que estava lendo a série que me empolgou tanto nos dois primeiros livros. Foi então que fui forçada a parar de ler por conta da faculdade e só fui voltar um mês depois.

Calme, não se desespere. Depois dessas primeias cem páginas, o livro vai melhorarando e lá pela página 150 volta a ser o que era nos dois volumes anteriores. Ufa! Eu quase tinha perdido a esperença. Realmente achei que a autora escorregou feio no começo e é só por isso que não dou um nota 10 para ele e sim 8, porque o resto é de tirar o fôlego!

Gostei bastante das questões propostas, principalmente quanto à natureza da guerra e do ódio. Porque Crônicas do Mundo Emerso não é uma série sobre a morte, é uma série sobre a guerra e sobre matar. Nihal e Senar, assim como outros personagens secundários como Ido, começam a refletir sobre o real significado de tudo o que estão fazendo. Na minha opinião, esse é o grande diferencial de série, pois mostra um lado bastante feio da guerra no universo fantasia. O livro conta com cenas bem violentas e trata de temas pesados como ódio, vingança, desejo de procurar a morte e prazer em matar. Esse terceiro volume traz cenas especialmente pesadas. O que me faz mais uma vez  comentar no disparate das grandes editoras que é de sempre classificar livros de fantasia como infanto-juvenis. Parece que é só ver a palavra “magia” que eles botam tudo na mesma  estante. É complicado porque um livro desses não é indicado de forma alguma à faixa infanto; é um livro exclusivamente juvenil por conter violência explícita e insinuação sexual. Mas voltando à trama.

Não espere dessa série aquela fantasia épica porque o grande foco é a questão do psicológico. O amadurecimento de Nihal e Senar, o modo como eles lidam com a guerra e com sua missão, os medos, os anseios, os desejos são as questões mais importantes em todos os livros.

Cuidado, Spoiler!

Sério, não leia. Vai contar o final do livro, vai contar sobre um tanto de gente que morreu, vai contar do gran finale… é sério.

Último aviso, hein? Spoiler!

Uma cena que me marcou muito no livro, que achei que foi um verdadeiro choque, foi quando Nihal mata o fâmil Vrasta na clareira da floresta. Mesmo sabendo que o fâmin pediu pela morte, eu levei um susto. Era Nihal derramando sangue inocente. Mas apesar de ser uma cena bem repulsiva, achei que contribuiu para a questão de mostrar personagens cinzas, que não são nem preto nem branco, nem bem nem mal. Achei que a construção de Nihal e de sua jornada foi bem bolada nesse sentido de explorar todas as suas emoções e potenciais. Obviamente, que para criar o efeito de verossemelhança, foram necessárias várias cenas de choro e desespero, o que pode desagradar a alguns leitores não tão ligados a questões emocionais.

A morte de Laio para mim também foi uma surpresa. É claro que o leitor consegue prever que Laio irá morrer; não há lugar para ele com Nihal e Senar, ele é um personagem descartável – mas não pensei que seria da forma como foi nem no momento que foi. Achei uma surpresa positiva e foi uma decisão importante em termos de narrativa pois traçou um turning point crucial para os personagens e também para a trama.

Tirano. Confesso que levei um susto. Outra surpresa que achei fantástica. Tudo que eu esperava do Tirano era exatamente o que ele não era. O fato de ele ter a aparência de uma criança, o fato de ele não ser aquela personoficação do mal clássica (vestido de preto, fala grosso, boa lábia, cruel) e principalmente: o fato de ele amar o Mundo Emerso! Sim, porque ele amava aquelas terras e no fundo ele achava que o que estava fazendo era o certo. A conversa entre Tirano e Nihal no fim do livro é de mexer com a cabeça de qualquer leitor: dá quase para acreditar que, no fundo, quem está certo é Tirano e não as Terras Livres! Claro que ele entra bastante no cliché do vilão bonito e incrivelmente inteligente, mas ele não sente prazer na maldade e achei isso uma virada surpreendente. Tirano também é cinza, é bom e é mau, não temos certeza se gostamos ou não dele, mas podemos simpatizar. O relato de Senar no Epílogo explora bem isso. O mago diz que se identificava com Tirano, que ambos tinham os mesmos sonhos e os mesmos pensamentos e desejos. A grande vilã, aquela que o leitor consegue sentir raiva mesmo, é Reis. No fim, ela foi a única que foi cegada pela maldade pura.

O sacrifício final de Nihal foi bem escrito. Eu realmente acreditei que Senar tinha morrido e deu pra sentir o desespero de Nihal na hora. Quando ela descobre que ele na verdade estava bem, veio aquela onda de alívio. Quando ela percebe, no entanto, que terá que morrer para salvá-lo a cena é maravilhosa. Achei bem bonito e foi de encontro com tudo que a personagem viveu durante a série.

Epílogo do ponto de vista de Senar. Pessoalmente, gosto muito de epílogos, principalmente quando mostra a visão de algum personagem específico em relação a tudo que aconteceu. Mas epílogos tendem a ser extremamente sentimentais, o que desagrada muita gente. Enfim, essa questão do epílogo é um debate longo dentro da fantasia… vamos falar disso em outra hora.

Fim do Spoiler.

O livro apresenta algumas questões permanentes no universo fantasia como vida, morte e renascimento, o que é o bem e o mal, o círculo da vida e da jornada do herói e o amor. Mas o que achei mais interessante foi o tratamento dado à guerra e à maldade, mostrando que o bem só acontece quando os homens estão dispostos mas que a maldade se espalha quando há inatividade. Além disso, o Mundo Emerso não ficou na mais completa paz, fica claro no livro que sempre haverá guerras e maldade enquanto houver guerra e maldade nos homens.

Enfim, série altamente recomendada. Trama boa, com surpresas agradáveis e personagens bem desenvolvidos. E é em breve postarei aqui o balanço geral de Crônicas do Mundo Emerso. Aguardem.

Importante: Batalhas do Mundo Emerso não é a continuação de Crônicas do Mundo Emerso. É uma série da mesma autora, no mesmo universo, mas com personagens e trama diferentes. Ainda não li, mas está na lista.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: