O Senhor da Chuva

Título: Os Sete

Autor: André Vianco

Ano de publicação: 2001

País de Origem: Brasil

Editora: Novo Século – 268 páginas

Nesse livro que tem como tema uma grande guerra entre anjos e demônios, André Vianco cria um esquema de cenas fortes, violência e referências cruzadas com seus outros livros que fazem a menção à Stephen King impossível de não ser feita. Drama e terror numa cidadezinha do interior do Brasil mandou O Senhor da Chuva para a difícil lista dos livros que eu não consegui terminar de ler.

Meu primeiro contato com André Vianco foi através de Os Sete (clique aqui para ler a resenha do livro), um livro de terror com vampiros brasileiros. Confesso que gostei da experiência, apesar de achar o livro um tanto imaturo. Mas tudo bem. Primeiro romance é assim mesmo. Fui ler O Senhor da Chuva esperando uma história de terror mas o que eu encontrei foi uma história tão chapada que não consegui ir pra frente. Sério. Não consegui. E olha que isso é raro. Eu sou uma das poucas pessoas do mundo que leu Em Busca do Tempo Perdido Vol.1 – O Caminho de Swann de Marcel Proust (parágrafos que ocupam duas páginas) sem colocar o troço de lado por várias semanas. Costumo ter um estômago forte para livros que não desenrolam. Mas esse pisou feio.

Não é que a história seja ruim, pelo contrário. A premissa básica é de que anjos e demônios fizeram um pacto a milhares de anos proibindo que eles interferissem no mundo humano. O problema é que os demônios tramaram uma armadilha e Thal, um anjo, acaba possuindo o corpo de um humano à beira da morte. Então esse humano sai de sua vida de traficante de drogas e vai pra cidade do interior onde seu irmão gêmeo mora. Só que, é claro, a cidade vira palco da briga entre o bem e o homem.

Legal, né? Ham. Não. O estilo de escrita ficou tão chapado a Stephen King que ficou complicado para mim ler. Okay, sou super fã do King e não tenho nada contra sofrer influências. Pelo contrário, acho que todo autor sofre com suas próprias influências e afinidades literárias (e olha eu dando uma de teoria da literatura de novo), mas o problema é que pra mim chegou num nível que não era mais influência. Era uma apropriação, só que sem a parte legal e subversiva da apropriação. Tem até uma cena em que personagem faz uma comparação explícita com O Cemitério de King!!! E como eu disse, nada contra apropriações e comparações e pastiches e influências, mas é que não ficou a parte legal.

Sei que muita gente gostou do livro que inclusive tem uma notas boas no Skoob (3,5) e na Submarino (4,0), mas a verdade é que pra mim não deu. Quando a guerra anjos e demônios começou e o corpo endemoniado do gêmeo mau começou a atacar eu não dei conta.

Me lembro que até troquei faíscas com o Gustavo Domingues do Grifo Nosso na época da resenha de Os Sete, mas agora sou obrigada a concordar com muita coisa que ele disse (não, não tenho problemas em mudar de idéia). Continuo achando que não é legal destilar veneno, mas concordo com o Gustavo que falta verossemilhança e personagens mais profundos, mais bem desenvolvidos, um enredo mais fechadinho. Na minha opinião foi o que jogou O Senhor da Chuva no buraco.

Não, não estou detonando a literatura nacional (faria o mesmo comentário se fosse um livro estrangeiro) e não, não estou dizendo que ninguém deveria ler esse livro. Até acho que devem ler sim e postar aqui os seus comentários, discordem de mim, argumentem. Essa é a parte mais legal do blog.

Não vou desistir de ler André Vianco, mas não posso deixar de torcer para que as próximas experiências sejam bem melhores.

Anúncios

7 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Camila
    ago 31, 2011 @ 14:51:10

    Oi Mel,
    Parabéns pela sinceridade!
    Acho importante que as pessoas tenham em mente que nós defendemos livros bons, independentemente da nacionalidade do autor. Um livro nacional não é ruim só por ser nacional, mas é hipocrisia sair por aí idolatrando um autor nacional só para dizer: “eu apoio a literatura nacional”! rs…
    Eu nunca li nenhum livro do André Vianco, mas já li comentários de gente que amam os livros dele e de gente que odeia!! Então, como você disse, tenho que ler o livro para formar uma opinião!! rs…
    Beijos
    Camila – Leitora Compulsiva

    Responder

    • Melissa
      ago 31, 2011 @ 15:00:54

      Pois é, Camila. Infelizmente tem gente que não entende isso. Acha que porque um livro é nacional temos que forçar a barra e gostar dele de todo jeito. Mas livro nacional é livro: tem gente que gosta da história e tem gente que não gosta. Simples assim.

      Responder

  2. Mi
    ago 31, 2011 @ 15:27:08

    Será que fui a única pessoa a achar o livro divertido? A ausencia de verossimilhança é tamanha que não tem como não rir. XD

    Responder

  3. Lucy
    ago 31, 2011 @ 23:03:27

    Nossa, agora não sei se eu leio esse livro. hahaha Por outro lado, estou curiosa, espero achar tão divertido quanto a Mi achou. hahaha

    Responder

  4. Trackback: Troca de Livros pelo Skoob!!! « Livros de Fantasia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: