ATorre Negra Vol.4 – Mago e Vidro

Título: A Torre Negra Vol.4 – Mago e Vidro
Título original: The Dark Tower Vol.3 – Wizard and Glass
Autor: Stephen King
Ano de publicação: 2005 (primeira edição de 1997)
País de origem: Estados Unidos
Tradução: Mário Molina
Editora: Objetiva – 816 páginas

Mago e Vidro traz de volta o ka-tet no caminho do Feixe de Luz em busca da Torre Negra. Mas antes de seguir em frente, os companheiros de Roland Deshain precisam entender o homem que os colocou juntos e o leitor finalmente é apresentado à história do pistoleiro mais jovem de todos os tempos: o próprio Roland que aos 14 anos parte para o leste com seu primeiro ka-tet. E baseado nessa história, o ka-tet atual terá que decidir se continua ou não nessa empreitada com o pistoleiro.

A leitura de Mago e Vidro é lenta, essa é a primeira coisa a ser dita. Foi o livro da série que mais demorei a ler e um dos poucos livros que deixei de lado por uns tempos e depois peguei de volta. Isso porque não há muita ação na maior parte do livro e sim memórias de Roland e de seu primeiro ka-tet. A história caminha devagar numa trama que a princípio não entendemos porque está sendo contada, mas acredito que é crucial para o leitor da série A Torre Negra  entender as escolhas que Roland fez quando jovem.

Nesse quarto volume da série (clique aqui para ler as resenhas dos três livros anteriores) entendemos finalmente porque é que Roland está nessa busca insana pela Torre Negra, porque é afinal tão importante que ele a encontre e quem é o grande inimigo de Roland. As respostas para todas essas perguntas estão na trama de um Roland adolescente que parte com os amigos Cuthbert Allgood and Alain Johns (mais western que isso só se fosse John Wayne) rumo à Torre Negra e que param no Baronato de Mejis por um tempo. É lá que Roland conhece Susan Delgado, seu grande amor, e resolve sua primeira intriga de guerra.

Em termos de desenvolvimento de personagem, Mago e Vidro é excepcional pois conseguimos entender Roland e obtemos informações que serão importantes a para a série no futuro. Entendemos também que quando ele diz que faz mal às pessoas que gosta não é um draminha e sim algo sério, o homem parece mesmo ter sido amaldiçoado. Mesmo.

Esse livro vem com inúmeras referências a outros livros de King como The Stand e Os Olhos do Dragão, bem como livros que não são do autor como O Mágico de Oz. Os personagens Randall Flagg e Rhea de Coos, recorrentes em obras do King, aparecem com destaque nesse volume. Alguns leitores ficam confusos e/ou entediados com todas essas referências, mas eu acredito que esse é justamente o diferencial do trabalho do King na fantasia: a criação de mundos interligados que se afetam entre si. Eu considero brilhante o modo como ele orquestrou sua obra em torno do Mundo Médio na série A Torre Negra.

Mago e Vidro pode ser excessivamente longo, mas é bem trabalhado e é uma pedra fundamental nessa excelente série. E sinceramente, não tem como não se emocionar com a história de Roland e seus demônios pessoais. Altamente recomendado!

A série continua com  Lobos de Calla (Wolves of the Calla), A Canção de Susannah (The Song of Susannah) e A Torre Negra (The Dark Tower). Todos já publicados no Brasil pela editora Objetiva.

Curiosidades:

  • A série em quadrinhos de A Torre Negra, foi baseada nos acontecimentos de Mago e Vidro. O primeiro volume, Nasce um Pistoleiro, nos mostra o dia em que Roland ganhou suas armas e se tornou um pistoleiro.
  • O livro The Wind Through the Keyhole, que será lançado ainda este ano, conta o que aconteceu com o ka-tet entre Mago e Vidro e o volume cinco da série, Lobos de Calla.

Anúncios

5 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Karen Alvares
    jan 26, 2012 @ 10:37:15

    Sério que você acha meio arrastado Mago e Vidro, Mel? É um dos meus preferidos (será será que é porque tem o meu querido e maravilhoso Cuthbert? huahuauhahua).
    Não, mas sério, eu adoro a história do Roland. O cara realmente é amaldiçoado (e um babaca, mas ok, isso é só o que eu acho dele rs). E esse livro realmente faz a gente entender muita coisa.
    Ai caramba, assim dá vontade de ler todos aqueles tijolões de novo, e eu tenho vários livros pra ler! huahuahuuhahuahuahua

    Responder

    • Melissa
      jan 26, 2012 @ 12:51:13

      Eu acho que é arrastado sim, mas tudo é muito necessário. Eu gosto muito da história do Roland e acho que tudo que está nesse tijolão nos ajuda a entender porque ele é assim. E claro, ajuda a compreender aquele final no sétimo livro.

      Eu sou doida pra reler essa série, mas é tão difícil com essas pilhas de livro pra ler!

      Responder

  2. Liége
    jan 28, 2012 @ 01:37:38

    Adoro quando um autor cria um personagem atormentado, amaldiçoado, e consegue fazer com que você se convença de que isso é realmente verdadeiro. Tem muitas vezes que essas premissas viram um dramalhão exagerado, mas esse realmente não parece ser o caso!

    Responder

  3. Trackback: A Torre Negra Vol.5 – Lobos de Calla « Livros de Fantasia
  4. Trackback: A Torre Negra Vol. 6 – A Canção de Susannah « Livros de Fantasia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: